Visão geral da subida das taxas de juro e o que significam para os investidores.

O que significa o aumento das taxas de juro?

Recentemente, poderá ter visto que a inflação é a mais alta que já se registou há muito tempo. E pode ter visto que as taxas de juro estão a aumentar em resultado disso. Num artigo anterior no blogue, discutimos o aumento da inflação e o que isso significa para os seus investimentos. Por isso, agora faz todo o sentido analisar as taxas de juro em alta.

Recém-chegados ao mapa

Não podemos falar de taxas de juro sem mencionar a inflação. Em termos simples, a inflação é o aumento dos preços ao longo do tempo. Neste momento, estamos a viver tempos de inflação. Na zona euro, a inflação deverá ser de 7,5% em março, o nível mais elevado desde o início da recolha de dados em 1997. Para referência, os bancos centrais de todo o mundo, incluindo o Banco Central Europeu (BCE) na Europa, o Sistema da Reserva Federal (Fed) nos EUA e o Banco de Inglaterra (BoE) no Reino Unido, têm um objetivo de manter a inflação em torno dos 2%.

A inflação é elevada neste momento por várias razões. Uma razão é a perturbação da cadeia de abastecimento devido à forte procura de bens na sequência da reabertura da economia em 2021. Para além disso, o petróleo e o gás tornaram-se mais caros. E quando os preços da energia aumentam, também aumentam os preços dos bens e serviços em muitos sectores. Segundo o BCE, o aumento dos preços da energia foi responsável por mais de metade da inflação em janeiro, e a guerra na Ucrânia está também a colocar uma tensão nos preços da energia.

Durante a crise do covid, muitos bancos centrais diminuíram as taxas de juro para ajudar a economia. Mas como a economia recuperou e a inflação disparou, alguns bancos centrais começaram a aumentar as taxas. Tanto o Fed como o BoE aumentaram as taxas de juro em março e indicaram que haverá mais subidas este ano.

O BCE não aumentou as taxas de juro desde 2011, mas disse que irá esperar pelo menos até aos últimos meses do ano para o fazer.

O que são mesmo as taxas de juro?

Em suma, uma taxa de juro é um montante que custa pedir dinheiro emprestado. O montante cobrado é uma percentagem do montante total emprestado, o que significa que quanto mais alta for a taxa de juro, mais pagará por pedir dinheiro emprestado. Do outro lado, se estiver a poupar dinheiro, a taxa de juros diz-lhe quanto irá receber como percentagem da sua poupança..

Quando se ouve 'taxa de juro' nas notícias, é provável que seja em referência à taxa a que os bancos podem pedir dinheiro emprestado aos bancos centrais. Na Europa, esta é a taxa do Banco Central Europeu (BCE), e no Reino Unido, é a Taxa Bancária. Mas existem muitos outros tipos de taxas de juro. Por exemplo, a Euribor (Euro Interbank Offered Rate) é a taxa de juro média a que uma grande seleção de bancos europeus pede dinheiro emprestado uns aos outros, que têm cinco maturidades, que vão de uma semana a 12 meses. Há também taxas médias overnight para as quais os bancos emprestam uns aos outros. Na Europa, esta taxa chama-se Eonia (Euro Overnight Index Average), e no Reino Unido, é a Libor (London Interbank Offered Rate).

Porque é que os bancos centrais aumentam as taxas de juro?

Os bancos centrais utilizam as taxas de juro como parte da sua política monetária, e uma das principais razões pelas quais os bancos centrais aumentam as taxas de juro é para combater a inflação. A inflação e os juros tendem a evoluir na mesma direção, por isso, quando a inflação aumenta, o mesmo acontece com as taxas de juro e vice-versa. Os bancos centrais não têm controlo sobre a inflação, mas a descida ou o aumento das taxas pode influenciar indiretamente a inflação.

  • Redução das taxas de juro

    Quando os bancos centrais baixam as taxas de juro, o seu objetivo é estimular a economia. Quando os custos dos empréstimos são baixos, as pessoas e as empresas tendem a contrair empréstimos e a gastar mais e têm menos probabilidades de depositar o seu dinheiro numa conta poupança. Por sua vez, a procura aumenta, e os preços também, e, por conseguinte, a inflação aumenta.

  • Aumento das taxas de juro

    Quando os bancos centrais aumentam as taxas de juro, o seu objetivo é abrandar a economia. Quando custa mais pedir dinheiro emprestado, as pessoas gastam menos e, por conseguinte, a procura diminui. Como resultado, os preços sobem menos acentuadamente, e a inflação diminui.

Como é que as taxas de juro têm impacto nos mercados?

Embora as taxas de juro estejam a subir, isso não significa que deva alterar o seu plano de investimento. É importante pensar no longo prazo e manter uma carteira bem diversificada. Mas é sempre bom estar preparado e conhecer alguns impactos potenciais da subida das taxas de juro nos mercados financeiros.

Bolsa de Valores

Não existe uma relação clara entre as taxas de juro e os preços das ações. No entanto, a subida das taxas de juro pode ter um impacto maior nalgumas ações do que noutras. Quando as taxas de juro sobem e as empresas pedem menos dinheiro emprestado, podem não estar a aumentar os seus negócios tanto como antes, quando as taxas de juro eram mais baixas, o que pode baixar a rentabilidade. Quando os investidores esperam rendimentos futuros mais baixos, isto pode levá-los a vender as suas ações da empresa, resultando em preços de ações mais baixos.

Alguns setores podem ter um melhor desempenho do que outros quando as taxas de juro sobem. Por exemplo, os setores financeiros, tais como os bancos, tendem a ter um melhor desempenho quando as taxas de juro sobem porque obtêm mais dinheiro emprestando dinheiro. Tenha em mente que o desempenho das empresas de um mesmo setor pode variar drasticamente.

Bond market

Em geral, os preços das obrigações e as taxas de juro movem-se em direções opostas. As obrigações recebem normalmente pagamentos de cupão que refletem a taxa de juro. Por exemplo, digamos que se compra uma obrigação governamental por 1.000 euros que vence em cinco anos e paga um cupão de 3%. Assim, durante cinco anos, receberá 30 euros anuais em pagamentos de cupão e depois os 1.000 euros de volta no vencimento. No entanto, digamos que as taxas de juro serão reduzidas para 2% a seis meses a partir de agora. Neste caso, a obrigação que paga 3% ao ano é mais atrativa do que as novas obrigações de 2%. Portanto, os investidores podem estar dispostos a pagar mais do que o valor nominal de 1.000 euros para que a obrigação de 3% obtenha uma melhor taxa de juro, e a obrigação será negociada com um prémio.

Por outro lado, se a taxa de juro aumentar, a obrigação será transacionada com desconto. Usando o mesmo exemplo, comprou uma obrigação do Estado por 1.000 euros que vence em cinco anos e paga um cupão de 3%. Mas daqui a seis meses, a taxa de juro aumentará para 4%. Neste caso, as obrigações mais antigas de 3% tornam-se menos valiosas porque as novas obrigações de 4% têm um cupão mais elevado.

Algumas obrigações são menos sensíveis às taxas de juro, dependendo do tipo de obrigação e do emissor. Por exemplo, as obrigações do Estado tendem a ser mais sensíveis às taxas de juro do que as obrigações de empresas. As obrigações com prazos de vencimento mais curtos também tendem a ser menos sensíveis às taxas de juro em comparação com as que têm prazos de vencimento mais longos.

Investir com a DEGIRO

Queremos tornar o investimento acessível a todos. Temos uma estrutura simples de comissões fixa e até oferecemos investimento em ações americanas com 0€ de comissões! Para detalhes, por favor visite o nosso Preçário.

Ajudamo-lo a diversificar o seu risco, oferecendo-lhe o acesso a um dos maiores universos e bolsas. Pode influenciar o risco a que se expõe construindo uma carteira bem diversificada e espalhando os seus investimentos por diferentes tipos, regiões e setores. Para uma visão geral dos produtos e bolsas que oferecemos, por favor visite a nossa página Mercados.

Abrir uma conta

A informação contida neste artigo não é redigida para fins de consultoria, nem pretende recomendar quaisquer investimentos. Deverá estar ciente de que os factos podem ter mudado desde que o artigo foi originalmente escrito. O investimento envolve riscos. Pode perder (uma parte) do seu depósito. Aconselhamo-lo a investir apenas em produtos financeiros que correspondam aos seus conhecimentos e experiência.

Fontes: BCE, FMI, Pimco, SEC, Forbes, BoE, Fed, Bloomberg, Reuters, Investopedia

Voltar

Comece a investir em 10 lições

Academia do investidor academy

Comece hoje a investir

Abrir uma conta gratuita invest
backtotop

Comece a investir hoje

Junte-se a mais de 2 milhões de clientes que confiam em nós.

Abra uma conta grátis agora

Note: Investir envolve riscos. Você pode perder (uma parte do) seu depósito. Aconselhamos que invista apenas em produtos financeiros que correspondam ao seu nível de conhecimento e experiência.

Note:
Investir envolve riscos. Você pode perder (uma parte do) seu depósito. Aconselhamos que invista apenas em produtos financeiros que correspondam ao seu nível de conhecimento e experiência.